Conheça 9 espécies exóticas e belíssimas de cobras e serpentes

1890

É uma relação de amor e ódio: as cobras podem causar arrepios naqueles que não gostam ou inspirar aqueles que apreciam do ar misterioso do réptil. A questão é que, entre as aproximadas 3 mil espécies do bicho, algumas chamam bastante atenção por conta de sua beleza.

Serpente-verde-do-sri-lanka

16

Serpente-asiática-das-videiras

15

Elas são bem pequenas e, além da geometria marcante de suas cabeças, possuem um padrão preto e branco na pele, que, misturado com o verde natural do réptil, fica ainda mais evidente quando elas expandem seu corpo ao se sentirem ameaçadas.

Como elas vivem em meio à foliação das videiras (e por se parecerem muito com as ramificações), quando elas sentem algum perigo, tendem a ficar imóveis e, caso bata algum vento, elas se balançam no mesmo padrão das demais plantas para se camuflar.

Píton-verde-arborícola (na fase jovem)

17

Apesar do nome, quando jovens, as pítons da espécie verde-arborícola tendem a apresentar uma tonalidade amarela extremamente marcante. É claro que elas se tornam verdes quando atingem sua maturidade, mas é nessa fase de maturação que elas se destacam bastante. Algumas cobras não mudam de cor ao chegar à fase adulta e mantêm o amarelo vivo por toda a vida.

Serpente-de-liga-de-são-francisco

18

As serpentes de liga – também conhecidas como garter, nos Estados Unidos – são bem populares, mas a espécie nativa da região de São Francisco, na Califórnia, é considerada por muitos como uma das mais belas do mundo – e raras também, já que está ameaçada de extinção.

É uma afirmação bem subjetiva, claro, mas não há como negar que a coloração azulada, com a combinação que lembra muito a nossa cobra coral, é algo especialmente bonito de ver.

Cobra-de-pestana

19

Não, não são cílios de verdade: o nome veio em função das “escamas” protuberantes acima dos olhos. Elas são bastante venenosas e igualmente bonitas, com uma coloração amarela clara, conhecida também como “oropel”, uma adaptação de um termo espanhol que significa “pele de ouro”. No entanto, não se preocupe: elas só atacam quando se sentem ameaçadas.

Serpente-krait-listrada-do-mar

20

Uma cobra venenosa que vive nos oceanos – na verdade, com um veneno mais poderoso que o das cascavéis. Parece uma má notícia, mas ela é mais comum do que parece, pelo menos na junção entre os oceanos Pacífico e Índico. O animal possui diversas adaptações para viver no fundo do mar, mas precisa vir à terra para se reproduzir.

Com uma combinação de cores entre azul, branco e preto, apesar de serem venenosas, elas costumam ser dóceis e há pouquíssimos casos registrados de incidentes com humanos.

Jiboia-arco-íris

21

Uma representante genuinamente brasileira na lista, a arco-íris boa é conhecida pelos reflexos coloridos em suas escamas de tonalidade marrom. Fissuras microscópicas atuam como prismas que refratam a luz e formam o efeito que o animal leva no nome.

Existem nove subespécies de cobras que apresentam esse “efeito” na pele, as mais conhecidas são encontradas aqui no Brasil.

Cobra-escavadeira-de-taiwan

22

Com efeitos de pele muito similares aos da nossa jiboia-arco-íris, as cobras da espécie Achalinus formosanus são encontradas na Ásia, mais especificamente em Taiwan e em algumas ilhas do Japão. Elas são relativamente inofensivas para os humanos e vivem caçando minhocas, sapos e outras presas pequenas.

Cobra-do-milho-sem-escamas

23

Cobras-do-milho geralmente são usadas como animais de estimação, mas a parte interessante é que algumas delas sofreram mutações genéticas que a levaram a não ter escamas na parte superior de seus corpos. Isso faz com que sua textura seja bastante peculiar e as destaque bastante entre os outros tipos do réptil.

Fonte: Mother Nature Network